1 – LITERATURA INFANTIL/JUVENIL: MÚLTIPLAS LINGUAGENS, NARRATIVAS E ENSINO

As reflexões propostas para este simpósio tomam como pressupostos que os termos “infância” e “adolescência” são concepções culturais e historicamente produzidas e que há, no mercado editorial, uma infinidade de títulos que buscam esse tipo de leitor, nas salas de aula, em diferentes suportes. Desse modo, o simpósio objetiva propiciar um espaço de debate e congregar trabalhos e pesquisas que discutam a natureza e a forma da literatura potencialmente produzida para esse público, com ênfase nas narrativas e num cenário onde as novas tecnologias da informação vêm produzindo diferentes tipos de leitor portadores de diversas necessidades e competências leitoras. Percebe-se, pela observação de sua trajetória, que a chamada literatura infantil/juvenil sempre esteve altamente vinculada a fatores sócio-histórico-culturais, fatores esses também responsáveis por mudanças na natureza dos próprios textos, nas temáticas abordadas, nas concepções de ensino e em consequência nas práticas pedagógicas para sua difusão e mediação no espaço escolar. Nesta ocasião, pretende-se debater contextos mais amplos, no sentido de se vislumbrar a literatura potencialmente produzida para crianças e jovens, e de modo especial as narrativas, como produção artística, social, cultural, histórica e, acima de tudo, vinculada a cenas marcadamente políticas responsáveis pela gênese desse tipo de texto e pelas suas transformações que ainda ocorrem na sua produção e nas diversas formas de ensino, recepção e mediação. Evidente que, no desenvolver dessa discussão, também se faz necessária uma investigação acerca da juventude como fator de identificação social e, nesse sentido, as formas de surgimento do termo “adolescência”.

Profª. Drª. Regina Silva Michelli Perim

Graduação em Letras pela Faculdade de Humanidades Pedro II (FAHUPE, 1977); psicóloga com
bacharelado e licenciatura pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ, 1979); mestrado (1994)
e doutorado (2001) em Letras (Letras Vernáculas, Literatura Portuguesa) pela Universidade Federal do
Rio de Janeiro (UFRJ), dissertação intitulada Viagem em Demanda do Santo Graal: o sonho de heroísmo
e de amor e tese Vênus e Marte, Eros e Psique o sinuoso caminho dos laços da paixão e do amor na
Literatura Portuguesa, pós doutorado pela Universidade de São Paulo (USP, 2014), pesquisa Viajando
pelo mundo encantado do Era uma vez: configurações identitárias de gênero na literatura infantil da
tradição. Atualmente é professora associada, em regime de dedicação exclusiva, da Universidade do
Estado do Rio de Janeiro (UERJ), desenvolvendo atividades docentes na graduação e no PPG em Letras,
área de Estudos de Literatura, nas especificidades de Literatura Portuguesa e de Teoria da Literatura e
Literatura Comparada, desenvolvendo e orientando pesquisas em Literatura Portuguesa e Literatura
Infanto juvenil. É bolsista PROCIÊNCIA (UERJ/ FAPERJ) desde novembro de 2018. É líder do Grupo
de Pesquisa A narrativa ficcional para crianças e jovens: teorias e práticas, junto ao Diretório de Grupos
do CNPq; participa do Grupo de Pesquisa DG-CNPq Nós do Insólito: vertentes da ficção, da teoria e da
crítica e do Grupo de Trabalho da ANPOLL Vertentes do Insólito Ficcional.

Profª. Drª. Silvana Augusta Barbosa Carrijo

Possui Graduação em Letras pela Universidade Federal de Goiás, Campus Catalão (1995), Mestrado em Letras e Lingüística (2003), Doutorado em Letras e Linguística pela Faculdade de Letras da Universidade Federal de Goiás (2009), sob orientação da Profa. Dra. Maria Zaira Turchi e Pós-Doutorado na UNESP/ Faculdade de Ciências e Letras de Assis (2014), sob supervisão do Prof. João Luís Ceccantini. Como parte das atividades de doutoramento, realizou Estágio de Doutorado na École des Hautes Études en Sciences Sociales, Paris-Fr, sob supervisão do Prof. Jacques Leenhardt. Como parte das atividades de pós-doutoramento, realizou Estágio de Pós-Doutorado na Universidade de Santiago de Compostela-ES, sob supervisão da Profa. Dra. Blanca-Ana Roig Rechou. É Professora Associada da Universidade Federal de Goiás – Unidade Acadêmica Especial de Letras e Linguística – Regional Catalão, atuando nos cursos de Graduação em Letras e no Programa de Pós-Graduação em Estudos da Linguagem (Mestrado e Doutorado). Coordenou, de março de 2018 a abril de 2019, a Editora Letras do Cerrado (Regional Catalão-UFG). Integra, na Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Letras e Linguística (ANPOLL), o GT Leitura e Literatura Infantil e Juvenil. É membro pesquisadora dos Grupos de Pesquisas cadastrados no CNPq, Leitura e Literatura na Escola (UNESP/Assis) e A narrativa ficcional para crianças e jovens: teorias e práticas (UERJ). É membro colaboradora externa do Grupo Liter 21 – Literatura Gallega. Literatura Infantil Y Juvenil. Investigaciones literarias, artísticas, interculturales y educativas (Universidade de Santiago de Compostela-ES). É autora de livros, capítulos de livros e artigos em periódicos nacionais e internacionais especializados. Tem experiência na área de Letras, com ênfase em Estudos Literários, atuando principalmente nos seguintes temas: literatura infantil; literatura juvenil; imaginário, ficção, memória, literatura de autoria feminina, gênero (gender).

Prof. Dr. José Nicolau Gregorin Filho

Possui graduação em Português e Inglês pela Faculdade de Filosofia Ciências e Letras Barão de Mauá (1987), Mestrado em Linguística e Língua Portuguesa pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (1996) e Doutorado em Linguística e Língua Portuguesa pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (2002). Na Universidade de São Paulo, é professor da Área de Literatura Infantil e Juvenil do Departamento de Letras Clássicas e Vernáculas e do Programa de Pós-Graduação em Estudos Comparados de Literaturas de Língua Portuguesa; foi Assessor Técnico de Gabinete da Pró-Reitoria de Cultura e Extensão Universitária. Atuou como professor colaborador do Programa de Pós-graduação em Estudos Literários da Universidade do Estado do Mato Grosso (UNEMAT). Foi professor e orientador do Programa de Mestrado Profissional em Letras (PROFLETRAS) em Rede Nacional; Foi Vice-Diretor e Diretor da Biblioteca Brasiliana Guita e José Mindlin e do Centro Universitário Maria Antonia, ambos da USP. Assessor do Núcleo Técnico de Currículo (Salas e Espaços de Leitura) da Secretaria Municipal de Educação de São Paulo. Sua pesquisa encontra-se na Grande Área de Linguística, Letras e Artes e concentra-se no ensino e na pesquisa de Leitura, Literatura Infantil e Juvenil, Estudos Comparados de Literatura, Cultura e Sociedade. É membro permanente do Grupo de Trabalho Leitura e Literatura Infantil e Juvenil da ANPOLL.

2 – A LITERATURA INFANTOJUVENIL NO UNIVERSO DAS MÍDIAS DIGITAIS

Nas últimas décadas, ocorreram várias transformações nos contextos de produção, distribuição, consumo e leitura da literatura infantojuvenil devido ao surgimento, à popularização e ao constante aprimoramento das tecnologias digitais. Um dos fenômenos mais evidentes dentro desse contexto é o surgimento de novos formatos – por vezes estritamente digitais e, por vezes, híbridos –, tais como os book apps, os livros de realidade aumentada e os projetos nos quais as obras existem em diferentes plataformas midiáticas – crossmedia e transmídia. Além disso, também devem ser destacados os projetos de leitura e escrita de obras literárias realizados em bibliotecas virtuais formadas por livros digitais estáticos ou dinâmicos, em plataformas de autopublicação, em clubes virtuais de leitura, em clubes de fanfiction, entre outros. Em face desse contexto heterogêneo e cambiante promovido pelas tecnologias digitais, o presente simpósio acolherá trabalhos que abordem análises de obras produzidas a partir de suportes digitais, bem como questões relacionadas com a escrita, a produção e a leitura em espaços como bibliotecas e plataformas virtuais.

Profª. Drª. Alice Atsuko Matsuda

Possui Graduação em Letras Anglo Portuguesas e Especialização em Letras-Literatura Brasileira pela Universidade Estadual de Londrina, Mestrado em Letras – Literatura e Ensino – pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (2001) e Doutorado em Letras – Estudos Literários – pela Universidade Estadual de Londrina (2009). Em junho/2018 finalizou Estágio Pós-Doutoral na Universidade de Coimbra, com auxílio Capes, integrando o Grupo de Investigação Mediação Digital e Materialidades da Literatura. É professor titular – Adjunto 4 – da Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Campus Curitiba. Docente Permanente do Programa de Pós-Graduação em Estudos de Linguagens (PPGEL). É líder do Grupo de Pesquisa LITERATURA INFANTIL E JUVENIL: ANÁLISE LITERÁRIA E FORMAÇÃO DO LEITOR. Participa também como membro do GT LEITURA E LITERATURA INFANTIL E JUVENIL da ANPOLL, dos Grupos de Pesquisas Discursos sobre Trabalho, Tecnologia e Identidades e do Grupo de Pesquisa em Linguística Aplicada (GRUPLA). Tem experiência nas áreas de Letras e de Jornalismo com ênfase em Literatura Infantil e Juvenil, Metodologia e Prática de ensino de Língua Portuguesa e de Literatura, Educomunicação, atuando principalmente nos seguintes temas: Literatura infantil e juvenil, Lygia Bojunga Nunes, leitura e literatura na escola, literariedade e formação do leitor – Método Recepcional, metodologia e prática de ensino de Língua Portuguesa e de Literatura, análise literária, literatura brasileira e literatura e mídia na escola.

Prof. Dr. Edgar Roberto Kirchof

Possui graduação em Letras (Português/Alemão) pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (1995), graduação em Teologia pela Escola Superior de Teologia (1998), mestrado em Ciências da Comunicação pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (1997) e doutorado em Linguística e Letras pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (2001), tendo realizado um Pós-Doutorado em Estética e Biossemiótica na Universidade de Kassel, Alemanha (2005). É bolsista de produtividade 1 B pelo CNPq, membro do CA de Ciências Humanas e Sociais da FAPERGS e editor da Revista Textura. Atualmente é professor adjunto da Universidade Luterana do Brasil, atuando, como docente e pesquisador, no Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGEDU) e como docente no Curso de Letras. Seus principais temas de pesquisa são as relações entre a Literatura, a Cultura Digital e a questão das Diferenças, com foco na Literatura infanto-juvenil. Atua nas seguintes áreas: Teoria da Literatura, Semiótica, Estudos Culturais e Educação.

Profª. Drª. Fabiane Verardi

Possui graduação em Letras pela Universidade de Passo Fundo (1991), Mestrado em Letras (Teoria Literária) pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (1999), Doutorado em Letras (Teoria Literária) pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (2004) e Pós-Doutorado pela Universidade de Coimbra (2019). Atualmente é professora Titular II da Universidade de Passo Fundo, no curso de Letras, no Programa de Pós-Graduação em Letras e Coordenadora das Jornadas Literárias de Passo Fundo. É Vice-Coordenadora do Grupo de Trabalho Leitura e Literatura Infantil e Juvenil da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Letras e Linguística (ANPOLL) biênio 2018-2020. Desenvolve projetos na linha de pesquisa de Leitura e Formação de Leitor, focalizando seus trabalhos na questão da leitura na escola, metodologias de ensino da literatura infantil e juvenil. É líder do Grupo de Pesquisa CNPq: Sobre Ensino de Literatura.

3 – TEATRO, LITERATURA E INFÂNCIAS

Este simpósio discutirá, em linhas gerais, o teatro feito para e com crianças na contemporaneidade. Buscará refletir sobre a presença da literatura nos espetáculos e processos voltados para a infância. Elencar e discutir as dramaturgias contemporâneas para crianças, bem como os modos de criação de tessituras teatrais advinda de textos, pré-textos, dramaturgias pautadas nos sentidos (sonora, visual, tátil). Pensar sobre o teatro contemporâneo e as crianças espectadoras, assim como sobre as tentativas, frustradas ou não, de se desvencilhar das amarras edificantes e pedagógicas.  Por fim, o simpósio também buscará elencar e comentar obras de dramaturgos considerados referências do teatro ocidental que se dedicaram a compor textos teatrais ousados para os pequenos espectadores.

Profª. Drª. Heloise Baurich Vidor

É atriz e professora de Teatro. Possui graduação em Interpretação Teatral pela Universidade de São Paulo (1994), Mestrado em Educação e Cultura (2001) e Mestrado em Teatro (2008) pela Universidade do Estado de Santa Catarina e Doutorado pela USP (2015). Atualmente é professora efetiva do Departamento de Artes Cênicas da Universidade do Estado de Santa Catarina, na área de Pedagogia do Teatro / Teatro e Educação e professora permanente do Mestrado Profissional em Artes (Profartes) e do Programa de Pós-Graduação em Teatro (PPGT), da mesma universidade. Tem experiência na área de Interpretação e Direção Teatral. Sua pesquisa atual, intitulada Teatro, Leitura, Literatura e Educação: encontros com o texto associa o campo da leitura ao do teatro, propondo experimentações em torno de textos literários, leitura em performance e procedimentos lúdicos teatrais, com crianças, jovens e adultos, no contexto de ensino formal e informal. É autora dos livros Drama e Teatralidade: o ensino do teatro na escola (2010) e Leitura e Teatro: aproximação e apropriação do texto literário (2016).

Prof. Dr. Diego de Medeiros Pereira

Doutor em Teatro (2015) pelo Programa de Pós-graduação em Teatro da Universidade do Estado de Santa Catarina (PPGT-UDESC).  É Mestre em Teatro (2011) por esse programa. Licenciado em Artes Cênicas (2008), também pela UDESC, e Bacharel em Ciências Contábeis (2008) pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Docente no Departamento de Artes Cênicas da Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC), a partir de 2018. Foi Professor Adjunto no Departamento de Artes Cênicas da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), entre 2016 e 2018, compondo o colegiado do curso de Licenciatura em Teatro dessa instituição. Líder do Grupo de Estudos sobre Teatro e Infâncias (GETIs/CNPq) e do Laboratório de Criação (LACRI-CNPq). Coordenador do Programa de Extensão Teatro e Infâncias. Diretor e produtor da Trupe da Alegria – grupo teatral formado por profissionais da Educação Infantil de Florianópolis (SC). Pesquisa a formação de professores e o trabalho com a linguagem do teatro na Educação Infantil, com foco na abordagem do Drama. Ator, encenador e dançarino. Possui experiências nas áreas de Ensino do Teatro, Atuação, Expressão Corporal e Dança. Presta consultorias para formação de professores. Autor do Livro Teatro na Formação de Professores da Educação Infantil (2015).

4 – NOVAS VELHAS HISTÓRIAS: A TRADUÇÃO DOS CLÁSSICOS DA LITERATURA INFANTIL E JUVENIL

As obras a serem discutidas neste simpósio são os clássicos da literatura infantil e juvenil, nas suas mais variadas formas (contos, poesia, diários, animações, entre outras), por meio da tradução. A tradução da literatura infantil e juvenil possui uma história própria, além de aspectos linguísticos e editoriais específicos. Por isso, ela se distingue da tradução de textos que não visam propriamente um leitor específico. Aguardamos a contribuição de todas aquelas pessoas interessadas (tradutores, pesquisadores, editores, estudantes, etc.) por essa área de estudo tão fértil, complexa e ao mesmo tempo tão fascinante.

Profª. Drª. Fernanda Coutinho

Professora Associado IV da Universidade Federal do Ceará. Possui graduação em Letras pela Universidade Federal de Pernambuco e Universidade Estadual do Ceará (1984), mestrado em Literatura Brasileira pela Universidade Federal do Ceará (1991) e doutorado em Teoria da Literatura pelo Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade Federal de Pernambuco (2004). Desde 1992, é professora efetiva do Departamento de Literatura da UFC. Coordena, atualmente, o grupo de pesquisa Ateliê de Literatura e Arte, que congrega estudantes de graduação e pós-graduação da UFC. No momento, é responsável pelo projeto de pesquisa intitulado Infância e Interculturalidade, o qual tem por objetivo refletir sobre a construção e a desconstrução da noção de infância num movimento histórico-sócio-ideológico que se estende da racionalidade da Ilustração aos dias atuais, examinando a caracterização do mundo infantil face às matrizes comportamentais da época contemporânea. A pesquisa procura, dessa forma, verificar a presença da criança no texto literário encenando papéis sociais, que envolvem uma gama de situações em que a questão ética aflora de forma perceptível, dando margem à avaliação da postura da criança como agente criador de sua própria subjetividade e à comparação com experiências de vivências infantis de outros momentos históricos. O trabalho é operado em uma perspectiva interdisciplinar e comparatista, razão pela qual os discursos de outras literaturas, além da nossa, são chamados a compor o diálogo textual. Tem experiência na área de Letras, com ênfase em Teoria Literária e Literatura Comparada, atuando principalmente nos seguintes temas: infância, história cultural, ficções do imaginário, afetos, sociologia dos costumes. Realizou estágio pós-doutoral na área de Literatura Comparada, junto à UFMG e à Université de la Sorbonne – Paris 4, sob a supervisão, respectivamente, das professoras Maria Ester Maciel de Oliveira Borges e Véronique Gély, enfocando o tema Crianças e Animais na obra de Graciliano Ramos. Atuou, de setembro/2009 a fevereiro/2010 como pesquisadora convidada do Centre de Recherche en Littérature Comparée, ligado à Universidade de Paris – Sorbonne – Paris 4. Entre dezembro de 2010 e fevereiro de 2011, esteve, como professora convidada, na Universidade de Colônia, consolidando a criação do Centro Cultural Rachel de Queiroz, e inaugurando suas atividades acadêmicas, por intermédio do Curso de Inverno Uma Rachel: quantas escritas – ficção, teatro, memória, histórias do dia a dia, que visou dar a conhecer a multiplicidade de facetas contidas na criação da escritora em foco.

Profª. Drª. Dirce Waltrick do Amarante

Ensaísta, tradutora e escritora. Professora do Curso de Artes Cênicas da UFSC e do Curso de Pós-Graduação em Estudos da Tradução (UFSC). Tem livros publicados na área de tradução, teoria literária, teatro e literatura infantil e juvenil. Coedita o Jornal de Arte e Cultura (ISSN 2237-0617) – Qualis B4. Com Vitor Alevato do Amaral, lidera o grupo de pesquisa Estudos Joycianos no Brasil. É membro do Núcleo de Pesquisa de Estudos sobre Samuel Beckett (USP). É colunista do blog da Editora Iluminuras (São Paulo). Organiza o Bloomsday de Florianópolis, com o prof. Sérgio Medeiros (UFSC) e com a profa. Clélia Mello, desde 2002.

5 – LITERATURA, FORMAÇÃO DE LEITORES E MEDIAÇÃO DE LEITURA

Este simpósio objetiva fomentar o debate sobre: tratamento didático da literatura no âmbito escolar do ensino fundamental I e II; necessidade de renovação do ensino da literatura; texto literário como base da formação literária escolar; teorias e práticas escolares de mediação do texto literário; orientações didáticas da leitura literária; leitura e processo de recepção leitora na escola; econcepções de literatura e leitura do texto literário, a partir de uma abordagem histórico-social das principais correntes críticas, sobretudo aquelas pertinentes à formação do leitor e à mediação em âmbito escolar. Para tanto, pretende-se discutir as principais correntes teóricas que, ao longo do século XX, delinearam concepções diretamente vinculadas à relação do leitor com a literatura e seu ensino, atingindo os próprios textos literários em sua constituição como objeto que representa o mundo e a si mesmo no universo ficcional e/ou poético, além da recepção. Como desdobramento, almeja-se  refletir de forma crítica sobre o diálogo entre as leituras subjetivas de crianças e jovens, a tradição crítica do campo dos estudos literários, e o ensino da literatura na escola.

Profª. Drª. Eliane Aparecida Galvão Ribeiro Ferreira

Graduada, mestrada e doutorada em Letras pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita UNESP, Campus de Assis, Estado de São Paulo, com linha de pesquisa em Literatura e Vida Social, na área de Literaturas de Língua Portuguesa. Possui experiência nas áreas de Literatura, Leitura e Ensino, com ênfase em Formação do Leitor. Temas de pesquisa mais recorrentes: leitura, literatura infantil e juvenil, e formação de leitores. Professora assistente doutora na graduação e pós-graduação da Universidade Estadual Paulista – Faculdade de Ciências e Letras FCL da UNESP, Campus de Assis-SP. Membro dos Grupos de Pesquisa: Leitura e Literatura na Escola (UNESP – Assis – SP); Literatura Infantil e Juvenil: análise literária e formação do leitor (UTFPR – Curitiba – PR); RELER – Grupo Interinstitucional de Pesquisa em Leitura (PUC – Rio). E Membro do Grupo de Trabalho Leitura e Literatura Infantil e Juvenil, junto a ANPOLL.

Profª. Drª. Elisa Maria Dalla-Bona

Possui graduação em Pedagogia, pela Universidade Tuiuti do Paraná (1983). Mestrado em Educação, pela Universidade Federal do Paraná (1990). Doutorado em Educação, pela Universidade Federal do Paraná (2012). Realizou estágio de setembro/2010 a fevereiro/ 2011, no Institut National de Recherche Pédagogique, INRP, Lyon, França. É professora desde agosto de 1991, do Departamento de Teoria e Prática de Ensino, do Setor de Educação, da Universidade Federal do Paraná. Participou do projeto de promoção da leitura na Escola Estadual João Gueno (PR), vencedor do prêmio VIVALEITURA/2014, promovido pelos Ministérios da Cultura (MinC) e da Educação (MEC) e a Organização dos Estados Ibero-americanos para a Educação, a Ciência e a Cultura (OEI). Atua principalmente nos seguintes temas: letramento literário, leitura e literatura infantil.

Prof. Dr. Hércules Tolêdo Corrêa

É Doutor em Educação (ou Ph. D.) – área Educação e Linguagem – pela Universidade Federal de Minas Gerais – UFMG (2002); Mestre em Letras: Estudos Linguísticos pela UFMG (1996); e graduado em Letras/Português pela UFMG (1989). Fez estágios científicos avançados de pós-doutoramento (Pós-Doc) na York Univeristy, em Toronto, no Canadá, no segundo semestre de 2017 e no primeiro semestre de 2018, e na Universidade do Minho, em Braga, Portugal, no primeiro semestre de 2007. Atualmente é professor associado do Centro de Educação Aberta e a Distância – CEAD, da Universidade Federal de Ouro Preto – UFOP, área de Letramento, Alfabetização e novas tecnologias para a formação do professor, e do Programa de Pós-Graduação em Educação da UFOP. É líder do Grupo de Pesquisa MULTIDICS – Multiletramentos e uso das TDIC na Educação. Tem experiência nas áreas de Letras e Educação, com ênfase em Multiletramentos, Letramento Literário, Letramento Digital, Letramento Acadêmico, Leitura e Produção de Textos Acadêmicos, Língua Portuguesa, Metodologia do Ensino da Língua Portuguesa, Metodologia da Pesquisa Científica em Educação e Letras, Iniciação à Pesquisa Linguística, dentre outras disciplinas, em cursos de Letras, Pedagogia, Jornalismo e Publicidade e Propaganda (experiência de 19 anos no Centro Universitário de Belo Horizonte – UNI-BH), e Pedagogia, Ciência da Computação e Engenharia de Minas (esses últimos, atuando como professor de disciplinas de Ensino e Aprendizagem de Linguagem e Prática de Leitura e Produção de Textos Acadêmicos, na UFOP). Tem experiência de orientação de mestrado, de trabalhos de conclusão de curso de graduação e especialização, nas mesmas áreas, além de diversas participações em bancas de mestrado e doutorado, na UFOP, UFMG, UFJF, UFV, UNESP e em outras instituições públicas de ensino superior. Tem livros e capítulos de livros publicados e organizados sobre leitura, leitura literária, psicolinguística e tecnologias digitais no ensino e aprendizagem de linguagem, além de publicações em periódicos (revistas acadêmicas) e eventos nacionais e internacionais. Atuou como coordenador pedagógico do Pró-Letramento e do PNAIC-UFOP.

6 – LITERATURA JUVENIL: TENDÊNCIAS CONTEMPORÂNEAS

A Literatura Juvenil tem ganhado expressão significativa na contemporaneidade. Assistimos a um crescimento, em termos quali e quantitativo, das obras literárias destinadas ao público juvenil e, em termos críticos, a delimitação dos traços específicos desse gênero. Ao mesmo tempo que essa ficção endereçada aos jovens vem ganhando corpo, seu equivalente crítico, por parte de estudiosos nas diversas áreas de conhecimento, práticas escolares e acadêmicas, tem sido requisitado. É fato que há um processo de mutações que engendra a Literatura em geral e especificamente a voltada aos jovens. Não se pode perder de vista as revoluções tecnológicas que têm agenciado profundas transformações nas formas de percepção e intelecção da realidade, das formas de organizações sociais e de relações humanas. A convergência de mídias, a hibridização de códigos e de linguagens, a confluência de suportes tem alterado o conceito de texto, em razão das sintaxes de descontinuidade e da natureza interativa e multirreferencial do projeto cibernético. Esses são desafios que se impõem aos projetos de formação leitora. A esses agregam-se outros de natureza diversa, como a perda de valores que ancoravam o mundo social e o fato de que noções de criança e jovem, antes consolidados, estarem em deslizamento, sofrendo transformações. O contínuo processo de mutações e transformações, em suas perspectivas multifacetadas, tem engendrado na contemporaneidade a tradição, tem gerido, em sua dinâmica, formas de literatura altamente refinadas, sobretudo, com qualidade estética. Conhecer, analisar e revisitar obras e autores mostra-se fundamental para perscrutar o significativo desenvolvimento dessa Literatura voltada ao público juvenil e seus diferenciados modos de expressão por meio dessas linguagens agenciadas pelo imaginário. O objetivo deste simpósio é reunir propostas que abordem a produção literária juvenil contemporânea, nas suas mais diversas abordagens e possibilidades de manifestação, mas tendo como horizonte, sobretudo, seus aspectos estéticos, na medida em que entendemos que o projeto literário que a conforma e sustenta nasce, primeiro, de um empenho artístico, para, somente depois, manifestar-se como uma tensão que resulta em agenciamentos de natureza social, educacional ou afins.Nesse sentido, serão bem-vindos os trabalhos que tratem de obras e autores da literatura juvenil contemporânea, seja numa perspectiva historiográfica, seja numa perspectiva analítica, empregando metodologias e fundamentação teórica diversa e podendo, ainda, estabelecer contraface(s) com outros meios de comunicação e/ou outras formas de manifestação artístico-social.

Profª. Drª. Maria Zilda da Cunha

Professora doutora na Universidade de São Paulo; pós-doutorado em Estudos Portugueses e Lusófonos no Instituto de Letras e Ciências Humanas da Universidade do Minho, Portugal (2018) e Pós-doutorado em Ciências, Educação e Humanidades pela UER (2016); Doutora em Letras, Estudos Comparados de Literaturas de Língua Portuguesa – pela Universidade de São Paulo (2002); Mestre em Comunicação e Semiótica pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1997). Graduada em Pedagogia pela Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras Nossa Sra. do Patrocínio (1977), em Letras pela Faculdade de Ciências e Letras de Bragança Paulista (1973), em Psicologia pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1972), com pós-graduação em Psicopedagogia pelo Instituto Sedes Sapiense (1989), especialização em Psicomotricidade pelo Instituto GAE (1991). Coordenadora da área de Literatura Infantil e Juvenil FFLCH/USP. Líder do grupo de Pesquisa: Produções Literárias e Culturais para Crianças e Jovens (CNPQ), vinculado à Universidade de São Paulo. Conselheira editorial das seguintes revistas: Revista Crioula, Revista Via Atlântica, Revista de estudos de linguística e literatura: tópicos de linguagem; Revista Literartes. Tem experiência nas áreas semiótica e ciências cognitivas, com ênfase nos estudos de processos de aquisição da linguagem pela criança; produção destacada nos estudos comparados de Literatura e outras artes e literatura e novas tecnologias. Desenvolve junto à pró-reitoria de pesquisa e extensão, como coordenadora responsável, o projeto de extensão universitária Diálogos Híbridos na formação do leitor literário: teoria, prática e experimentação. Desenvolve junto a alunos de graduação e comunidades escolares o projeto Criança e Linguagem: a leitura em intertextos de autoria e recepção. Professora do Mestrado profissional – Profletras.

Profª. Drª. Diana Navas

Possui graduação em Letras – Licenciatura plena pela Universidade do Grande Abc (2004), mestrado em Literatura e Crítica Literária pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (2007) e doutorado em Literatura Portuguesa pela Universidade de São Paulo (2012). Atualmente, é Professora do Programa de Estudos Pós-Graduados em Literatura e Crítica Literária da PUC-SP. Tem experiência na área de Letras, com ênfase em Crítica Literária, Teoria Literária, Literatura Portuguesa e Literatura Juvenil Brasileira e Portuguesa. Atua, principalmente, nos seguintes temas: romance contemporâneo, meta ficção, crítica literária, tendências da literatura juvenil contemporânea brasileira e portuguesa.

Profª. Drª. Maria Auxiliadora Fontana Baseio

Professora no Mestrado Interdisciplinar em Ciências Humanas da Universidade de Santo Amaro (UNISA) e na Faculdade Rudolf Steiner (FRS- São Paulo); pós-doutoraa em Estudos Portugueses e Lusófonos no Instituto de Letras e Ciências Humanas da Universidade do Minho, Portugal; Doutora em Letras ? Estudos Comparados de Literaturas de Língua Portuguesa – pela Universidade de São Paulo (Entre a magia da voz e a artesania da letra: o sagrado em Manoel de Barros e Mia Couto – 2007);Mestre em Letras também pela Universidade de São Paulo (No vaivém da lançadeira: o retorno do sagrado na literatura infantil/juvenil de língua portuguesa – 2000). Bacharel em Letras pelo Centro Universitário Ibero-Americano (1989), com Licenciatura Plena em Português-Inglês e Bacharel em Ciências Sociais pela Universidade de São Paulo (1992). Possui 30 anos de experiência na Educação, distribuídos entre o ensino superior e o Ensino Fundamental e Médio. Coordenou curso de Letras das Faculdades Integradas Torricelli (2007 a 2010). Possui experiência na área de Letras, com ênfase na docência de Língua Portuguesa, de Literatura Comparada (Literatura Brasileira, Portuguesa e Africana) e de Literatura Infantil. Atualmente, é líder do grupo de Pesquisa: Arte, Cultura e Imaginário, vinculado à Universidade Santo Amaro, e pesquisadora do grupo Produções Literárias e Culturais para Crianças e Jovens, vinculado à Universidade de São Paulo. Sua pesquisa concentra-se nos seguintes temas: sagrado, imaginário, cultura, literatura e suas interfaces com outras artes e linguagens, educação, interdisciplinaridade. É co-autora do livro A literatura e o imaginário:diálogos transversais (2017).

7 – LITERATURAS E PRODUTOS CULTURAIS AFRO-BRASILEIROS, AFRICANOS E INDÍGENAS PARA CRIANÇAS E JOVENS

Este simpósio funcionará como espaço de interlocução entre pesquisadores/as, estudantes, professores/as e profissionais da Educação Básica interessados/as em refletir sobre produtos culturais e as literaturas infantis e juvenis de temática afro-brasileiras, africanas e indígenas. Parte-se do reconhecimento de que se trata de um campo do conhecimento dinamizado historicamente na/pela ação de movimentos negros e indígenas, e daqueles que, com eles, lutam pela garantia de direitos. No âmbito acadêmico, é crescente o número de pesquisas que abordam as relações étnico-raciais sob um viés desconstrutivo e crítico, colocando-se em questão discursos normativos, eurocêntricos, racistas, coloniais, etnocêntricos, que instituem hierarquias sociais e as promovem em práticas, processos e políticas históricas e atuais, bem como em produtos culturais que chegam às crianças e jovens brasileiros. Junto a isso, considera-se que a aprovação das modificações na LDB por meio das Leis 10.639/2003 e 11.645/2008 impulsiona, ainda mais, a crítica às abordagens curriculares racistas e ao silenciamento da discussão sobre o racismo nas escolas de Educação Básica. Neste simpósio serão aceitos trabalhos que examinem produtos culturais infantis e juvenis – apresentados sob as mais variadas formas, gêneros e suportes primando-se, especialmente, pelas (R)es(X)istências expressas em produções literárias e pela valorização e ressignificação identitária (negra e indígena).

Prof. Dr. Paulo Vinicius Baptista da Silva

Possui Bacharelado e Licenciatura em Psicologia pela Universidade Federal do Paraná (1991), Mestrado em Educação pela Universidade Federal do Paraná (1996), Doutorado em Psicologia Social pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (2005), Pós-Doutorado em Análise Crítica do Discurso na Universidade Pompeu Fabra (Barcelona, 2014). Tem larga experiência em pesquisas em rede, com atuação como pesquisador ou como coordenador em projetos regionais nacionais (entre os quais Educação e relações ético-raciais: o Estado da Arte, 2015-2018) e internacionais (entre os quais Racismo e Discurso na América Latina, 2005-2010). É fundador e editor da Journal of African and Afro-Brazilian Studies. Atualmente é bolsista produtividade 2 do CNPQ, atua no Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE-UFPR) e Núcleo de Estudos Afro-Brasileiros (NEAB-UFPR). Tem experiência na área de Educação, atuando principalmente nos seguintes temas: relações raciais, racismo, políticas afirmativas, construção social da infância, políticas para a infância.

Profª. Drª. Maria Anoria Jesus de Oliveira

Possui doutorado em Letras pela Universidade Federal da Paraíba/UFPB (2010), com estágio sanduíche/CAPES (Moçambique/Maputo), Mestrado em Educação pela Universidade do Estado da Bahia (2003), Especialização em Literatura pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo/PUC-SP, Graduação em Letras (PUC-SP) e Pós-doutorado em Letras pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Bolsista CNPQ (2015). Prof. permanente do Programa de Pós Graduação em Crítica Cultural (Pós Crítica/UNEB) e do curso de Letras (UNEB). Tem participado de eventos acadêmicos na área de pesquisa, com experiência e publicações em Letras e Educação (artigos, capítulos de livros), cujas ênfases são: Literatura infanto-juvenil afro-brasileira e moçambicana, literatura negra (afro)brasileira, educação antirracista. Autora do livro Áfricas e diásporas na literatura infanto-juvenil no Brasil e em Moçambique (EDUNEB, 2014). Atua, principalmente, com os seguintes temas: Literatura infanto-juvenil brasileira e moçambicana, formação de educadores/as para as relações étnico-raciais, antirracismo, educação (Lei 10.639/03). Tem coordenado projetos no campo da Literatura e Cultura Afro-Brasileira e Africana, abrangendo: ensino, pesquisa e extensão: LIFE/CAPES; Vivências/PROEX e o Ensino (PIBID/FAPESB). No momento orienta dissertações de Mestrado cujas temáticas focalizam a Literatura Negra (Afro) Brasileira e a Educação Escolar Quilombola, a Lei 10.139/03 na Educação Básica. Na Iniciação Científica orienta projetos sobre a Literatura infanto-juvenil (afro)brasileira e africanas (moçambicanas e angolanas). No momento orienta dissertações de Mestrado cujas temáticas focalizam a Literatura Negra (Afro) Brasileira e a Educação Escolar Quilombola, a Lei 10.139/03 na Educação Básica. Na Iniciação Científica orienta projetos sobre a Literatura infanto-juvenil (afro)brasileira e africanas (moçambicanas e angolanas).

Profª. Drª. Iara Tatiana Bonin

Doutora em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS (2007); Mestre em Educação pela Universidade de Brasília – UnB (1999). Graduada em Pedagogia pela Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC (1989). É coordenadora e professora do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Luterana do Brasil. Desenvolve estudos e orienta teses e dissertações que tratam das pedagogias e políticas da diferença, com foco na temática indígena, na literatura infantil e nos estudos surdos. É autora, com outros colegas, de A diferença na literatura infantil: narrativas e leituras, editora Moderna, 2012, selecionado pelo PNBE-professor-2013. É bolsista de produtividade em pesquisa do CNPq (PQ 2), desenvolvendo atualmente o projeto Pedagogias e políticas da diferença em contextos interculturais, que conta também com financiamento do CNPq (Universal 2016). Integra o Núcleo de Estudos sobre Currículo, Cultura e Sociedade (NECCSO) e o Grupo de pesquisa Cultura e Educação, do PPGEDU ULBRA.

8 – CONTAÇÃO DE HISTÓRIAS: DA ANCESTRALIDADE À ATUALIDADE

A literatura tem uma função humanizadora, pois as narrativas mostram situações de conflitos que nos ajudam a pensarmos sobre nossas emoções e realidade com uma linguagem que pertence ao mundo lúdico, portanto facilmente acessível, apresentando possibilidades para o alívio de sofrimentos interiores além de reconhecer caminhos para lidar com os infortúnios. Além disso, como uma aprendizagem estética, permite, através das histórias lidas ou contadas, que se possa desfrutar das mais diversas culturas, regiões, emoções e dramas proporcionados pela literatura. Pensando que a escola precisa promover a capacidade de encontrar sentido na vida; dotar a vida, em geral, de mais significados, é importante apresentar a cultura local e global como nossa herança cultural, transmitida pela literatura escrita e oral. Através da contação de histórias, essa arte ancestral que se prolonga e se firma nos dias atuais, experimentamos as mais diversas sensações de prazer, emoção e imaginação, é um grande encontro com o belo. Esses são elementos fundamentais para que o sujeito seja capaz de compreender a si, compreender o meio ao qual pertence, conhecer o outro com quem interage, construindo conhecimentos sólidos para que mais tarde possa entender o mundo de forma intensa. Assim, a contação de histórias é atividade lúdica e essencial como dinamizadora da ação de educar, seja para a apreciação da arte, seja para a compreensão dos conhecimentos socialmente valorizados, seja para compreender a si mesmo no mundo, pois desenvolve habilidades que não estão voltadas apenas para o desenvolvimento cognitivo, mas também para o social, afetivo, emocional, propiciando assim a formação integral e cidadã. Nesse simpósio, intencionamos perceber questões éticas, estéticas e pedagógicas da arte ancestral da narração de histórias que se alonga para os dias atuais.

Profª. Drª. Rosemary Lapa de Oliveira

Pós-doutorado em Contação de Histórias, Doutora em Educação e Mestre em Letras e Linguística pela Universidade Federal da Bahia. Especialista em Gramática e Texto pela Universidade Salvador. Licenciada em Letras Vernáculas com Inglês e Literaturas pela Universidade Católica do Salvador. Atualmente professora Titular DE do curso de Pedagogia da Universidade do Estado da Bahia e do Programa de Pós-Graduação em Educação e Contemporaneidade – PPGEDUC, coordenando a pesquisa CONSTITUIÇÃO DE LEITORES. Atuei no Mestrado Profissional em Letras – PROFLETRAS (2016-2018) e no Mestrado Profissional em Educação de Jovens e Adultos – MPEJA (2016-2018). Atuei no Curso de Especialização em Docência na Educação Infantil da Universidade Federal da Bahia (2010 – 2016), na condição de bolsista FNDE. Líder do Grupo de Pesquisa e Estudo em Leitura e Contação de Histórias GPELCH e vice-líder do grupo de pesquisa Formacceinfnacia, Linguagens e EJA – DEDC I- UNEB. Tenho experiência na área de Letras, com ênfase em Linguística, atuando principalmente nos seguintes temas: letramentos, enleituramento, leitura, contação de histórias, escrita, análise de discursos, formação de professores de língua portuguesa e inglesa. Escritora de livros e artigos acadêmicos e textos literários.

Profª. Drª. Ilsa do Carmo Vieira Goulart

Doutora em Educação pela Faculdade de Educação da Universidade Estadual de Campinas (2013). Mestre em Educação pela Faculdade de Educação da Universidade Estadual de Campinas (2009), na Área: Educação, Conhecimento, Linguagem e Arte. Especialista em Psicopedagogia pela UCB (2005). Graduada em Letras, pela Fundação de Ensino Superior do Vale do Sapucaí (1997). Professora Ajunto A, classe A, do Departamento e Professora Permanente do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal de Lavras. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Ensino-Aprendizagem, atuando principalmente nos seguintes temas: história da literatura didática brasileira, cultura material escolar, leitura, livro, leitor, alfabetização e práticas de leitura. Coordenadora Adjunta do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal de Lavras. Coordenadora do Núcleo de Estudos em Linguagens, Leitura e Escrita (NELLE) e do Grupo de Pesquisa Linguagem, Leitura e Cultura Escrita, da Universidade Federal de Lavras.

Profª. Drª. Gilka Girardello

Possui graduação em Comunicação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1978), mestrado interdisciplinar em Ciências Humanas pela New School for Social Research de Nova York (1990) e doutorado em Ciências da Comunicação pela Universidade de São Paulo (1998). Realizou pós-doutorado no Programa de Educação Urbana da City University of New York (Pesquisadora Visitante/Fulbright/CAPES 2010/2) e no Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, (2011/1). Professora titular da Universidade Federal de Santa Catarina, atua no Programa de Pós-Graduação em Educação, dentro da Linha Educação e Comunicação, pesquisando principalmente os seguintes temas: comunicação, cultura, infância, imaginação, narrativa e formação de professores para os anos iniciais do ensino fundamental.

9 – A PALAVRA POÉTICA NA LITERATURA INFANTIL E JUVENIL

Se a sociedade contemporânea normatiza comportamentos e corpos, poesia é transgressão à norma, ao esperado, despertando sensibilidades que redimensionam a vida, horizontes apenas vislumbrados através, e fundamentalmente, da palavra. Quando o homem se despe da linguagem que lhe engessa a alma e esteriliza seu pensar, que o confrange a dizer o já dito e o imobiliza, a poesia brilha. Este simpósio objetiva apresentar uma reflexão acerca da poesia destinada a crianças e jovens. Destarte, comunicações que abordem questões relacionadas à leitura, à recepção e ao ensino de poesia  para crianças e jovens são bem-vindas. Incluem-se, aqui, estudo sobre os diferentes tipos de suporte do texto poético na contemporaneidade, bem como sobre os diversos gêneros poéticos  – sejam eles em termos de análise do texto literário ou na relação de recepção com seus leitores preferenciais. Consideram-se ainda pertinentes, à proposta do simpósio, estudos multidisciplinares cuja abordagem se enriquece através do diálogo firmado com outros discursos do saber, como Educação, Psicologia, Psicanálise, História, Mitologia, Semiótica, Artes, Literatura popular e, especificamente, Linguísticas, Literaturas, teorias ligadas às representações de leitores e de práticas de leitura.

Prof. Dr. José Hélder Pinheiro Alves

Graduação em Letras – Faculdades Integradas de Uberaba (1983), Mestrado em Letras (Literatura brasileira) pela Universidade de São Paulo (1992), Doutorado em Letras (Literatura brasileira) pela Universidade de São Paulo (2000) e Pós-doutorado pela Universidade Federal de Minas Gerais (2004). Professor Titular em Literatura Brasileira na Universidade Federal de Campina Grande, PB. Tem experiência na área de Letras, com ênfase em Literatura Brasileira, atuando principalmente nos seguintes temas: literatura e ensino, poesia, literatura infantil e literatura de cordel. É membro do GT Literatura e ensino da ANPOLL.

Prof. Dr. Demétrio Panarotto

Nasceu em Chapecó-SC, em 1969. É doutor em Literatura (UFSC) e professor universitário (UNISUL). Músico, poeta, escritor e idealizador do programa Quinta Maldita (na webrádio Desterro Cultural).  Publicou: “Borboletas e Abacates” [Argos, 2000]; “Mas é isso, um acontecimento” [Editora da Casa, 2008, poemas]; “15’39”” [Editora da Casa, Alpendre, 2010, poemas]; “Qual Sertão, Euclides da Cunha e Tom Zé” [Lumme Editor, Móbile, 2009, livro/ensaio]; “Crônica para um defunto” [dengo-dengo cartoneiro, 2013, poemas]; “O assassinato seguido de La bodeguita” [Butecanis Editora Cabocla, 2014, contos]; “Poema da Maria 3D”[Coleção Formas Breves, e-galáxia, 2015, e-book, conto]; “Ares-Condicionados” [Nave Editora, 2015, contos]; “A de Antônia” [Miríade, ” 2016, infantil]; “No Puteiro” [Butecanis Editora Cabocla, 2016, poemas]; ‘Café com Boceta'[Butecanis Editora Cabocla, 2017, poemas]; ‘Blasfêmia ‘[Butecanis Editora Cabocla, 2018, poemas]; “18 Versos para o funeral de Demétrio Panarotto” [Papel do Mato Oficina Tipográfica,2018, poemas], “Tratamento da Imagem” [Patifaria, 2018, conto]; “Arquipélago”[Patifaria, 2018, infantil], “Lotação” [Medusa, 2018]. Responsável, ainda, pela Organização de: Livres Somos Versos, em parceria com Arlyse Ditter [ACB, 2018, poemas] e Cartaze, em parceria com Arlyse Ditter [ACB, 2019, poemas]; mais alguns discos e alguns filmes. Reside em Florianópolis-SC.

Profª. Arlyse Silva Ditter

Professora do Colégio de Aplicação da UFSC. Coordenadora dos projetos de Pesquisa e Extensão Confraria Literária do CA-UFSC: incentivo à leitura e ativismo cultural e Procura-se um Leitor. Respectivamente, objetivam trabalhar o Letramento Literário e a Escrita Criativa. Em 2018, esses projetos publicaram 4 livros com produção literária dos alunos de ensino fundamental II e Médio. Licenciada em Letras UFRGS/UCDB e Mestre em Educação pela UCDB.

10 – O VERBAL E O VISUAL: LINGUAGENS EM DIÁLOGO NA LITERATURA INFANTIL E JUVENIL

Entendemos que a presença da literatura infantil e juvenil contribui para o desenvolvimento no leitor não apenas do inteligível mas também do sensível, e o livro possui uma forte influência na sua educação estética, que se manifesta por diversos gêneros e suportes. Os gêneros valem-se das linguagens verbal e visual e se dão a ler por meio de determinado suporte que lhe confere determinada materialidade. O texto literário que chega ao leitor é acompanhado de paratextos que podem atuar no processo de leitura. Nas últimas décadas uma crescente produção de livros para crianças e jovens em que os/as autores/as passaram a explorar o livro também como um objeto estético, e a imagem ganhou um status diferente, não mais como ilustração da palavra, mas como um texto em diálogo com ela que amplia a significação da obra. O livro mudou, a criança e o jovem também e o mercado editorial está investindo nessa mudança. Este simpósio tem como proposta reunir pesquisas a) que explorem a relação texto e imagem na obra para crianças e jovens, que envolve a interação dialógica entre texto e imagem nos suportes impressos e digitais, bem como os aspectos da materialidade do livro impresso ou digital, abordando como a relação texto/imagem e os demais elementos que compõem essa materialidade, interferindo na atitude leitora e propondo novas concepções acerca da natureza da literatura infantil e juvenil contemporânea; b) que explorem os processos de mediação de leitura com foco na relação texto/imagem e nos demais elementos da materialidade da obra literária impressa e digital.

Prof. Dr. Diógenes Buenos Aires

Possui graduação em Letras/Português (UESPI), Especialização em Leitura e Produção de Textos (PUCMinas), Mestrado e Doutorado em Letras (PUCRS/CAPES). Realizou estágio de Pós-Doutorado (PNPD/CAPES) no Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade de Passo Fundo (UPF). Professor da Universidade Estadual do Piauí (UESPI), atuando na Graduação em Letras e no Mestrado Acadêmico em Letras. Coordenou o curso de graduação em Letras/Português, o Mestrado Acadêmico em Letras e foi Pró-Reitor de Pesquisa e Pós-Graduação. Professor Convidado do Programa de Pós-Graduação em Letras da UFPI. Coordenador do GT Leitura e Literatura infantil e juvenil da ANPOLL e integrante da RELER e do Grupo de Pesquisa A narrativa ficcional para crianças e jovens: teorias e práticas (UERJ). Coordenador do Grupo de Pesquisa Literatura, Leitura e ensino (CNPq/UESPI). Tem experiência na área de Letras, com ênfase em Teoria Literária, atuando principalmente nos seguintes temas: Estética da Recepção, Literatura infantil e juvenil, Adaptação literária, Formação do leitor, Ensino de literatura, Letramentos literário e digital.

Profª. Drª. Renata Junqueira de Souza

Possui graduação em Letras pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (1987), mestrado em Linguística e Letras pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (1990), doutorado em Letras pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (2000) e é livre-docente pela mesma Instituição (2012) no conjunto das disciplinas Conteúdos, Metodologia e Prática de Ensino de Língua Portuguesa I e II e Leitura, Literatura e Interpretação de Textos no Processo de Formação de Professores.. Atualmente é professor visitante da Universidade do Minho e professor assistente doutor da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho. Também é professora colaboradora no Programa de Pós-graduação em Letras da Universidade Federal do Espírito Santo (UFES), desde 2015. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Ensino-Aprendizagem, atuando principalmente nos seguintes temas: leitura, formação de leitores, literatura infantil, literatura e formação de professores, estratégias de leitura.

Profª. Drª. Adair de Aguiar Neitzel

Bolsista da CAPES nos anos 2013-2014 no Programa de Estágio Sênior no Exterior, Pós doutorado na Universidade Paris VI – Diderot, desenvolvendo pesquisas em colaboração com a Profa. Dra. Anne Kupiec no Laboratoire de Changement Social et Politique (LCSP) e bolsista do CNPq no ano 2000 para cursar doutorado sanduíche na Sornonne Nouvelle sob a orientação de Henri Behar. Doutora em Literatura pela Universidade Federal de Santa Catarina (2002).Professora titular da Universidade do Vale do Itajaí, orienta pesquisas no Mestrado e Doutorado em Educação. Líder do Grupo de Pesquisa Cultura, Escola e Educação Criadora. Pesquisa os seguintes temas: literatura, arte na educação, formação de leitores, formação de professores e educação estética. Foi coordenadora Institucional do PIBID UNIVALI na gestão 2010-2013 e 2014-2016-I. Coordenadora de área do PIBID de Letras em 2017.

11 – LITERATURAS JUVENIS: DA PRODUÇÃO À RECEPÇÃO

Nas últimas décadas, cresce a visibilidade dos livros literários destinados aos
jovens, como produtos culturais competitivos no mercado dirigido a um novo público-alvo, na esteira de um conceito de juventude que se consolida no Ocidente sobretudo após a Segunda Guerra Mundial. O fenômeno desencadeia a efervescência do sistema, que multiplica sua área de abrangência, para atender às necessidades daquela faixa etária até então desconsiderada, devido a sua transitoriedade, à indefinição de uma especificidade e à ausência de plena voz no seio da família, da escola e do trabalho. Por outro lado, o conceito de juventude ainda é mais instável do que possa parecer à primeira vista, o que acaba por vincular, por sua vez, certa indefinição à própria noção de literatura juvenil. Trata-se de aspecto que não convém menosprezar, se se quiser abordar tal objeto em toda sua complexidade, na medida em que circulam, em variadas esferas, produtos de natureza a mais diversa sob a ampla rubrica literatura juvenil. Este simpósio, que, em certa medida, é desdobramento daquele realizado em 2016 no VII Seminário de Literatura Infantil e Juvenil (UFSC/UNISUL), realizado em Florianópolis em setembro de 2016, intitulado “A literatura juvenil e a dinâmica cultural contemporânea”, pretende, assim assumir uma perspectiva pluralista e multifacetada, convidando à apresentação de trabalhos que analisem e discutam não apenas a “literatura juvenil recomendada”, ou seja a aquela promovida por seu elevado valor estético pelas diferentes instâncias que a legitimam (escola, crítica especializada, prêmios literários etc.) e em geral posta em circulação sob a chancela de mediadores adultos (editores, professores, bibliotecários, pais etc.), mas também outras modalidades, usualmente identificadas por seu caráter “mais comercial” (best- sellers/traduções, obras publicadas no interior de uma série ou coleção, narrativas vinculadas a outras mídias (cinema, TV, videogames, redes sociais etc.) ou mesmo títulos de natureza ambígua, como o que se vem chamando de “literatura de fronteira”. Serão muito bem-vindos não apenas os trabalhos que priorizem a instância da produção das obras, mas também aqueles que contemplem a literatura juvenil no que concerne a questões editoriais de natureza diversa, recepção escolar e não-escolar, cultura participativa, integração multimídia, materialidade das obras, relações entre texto verbal e não-verbal, formas de divulgação e circulação, diversidade de modalidades e gêneros, políticas públicas de formação de leitores, entre muitos outros aspectos ligados ao campo da literatura juvenil na contemporaneidade.

Profª. Drª. Vera Teixeira de Aguiar

Doutora em Letras, área de concentração em Teoria da Literatura, Professora Titular aposentada da PUCRS, onde lecionou, nos níveis de Graduação, Especialização, Mestrado e Doutorado, as disciplinas de Leitura de Autores Brasileiros, Sociologia da Leitura, Literatura Infantil e Construções Simbólicas, Literatura Juvenil, Arte e Sistema Cultural e Literatura e Ensino. Desenvolve pesquisas nessas áreas, salientando o lugar da literatura na vida social e sua interação com outras linguagens. É autora, dentre outros livros, de que livro indicar? Interesses do leitor jovem; Marcelo Gama; O verbal e o não verbal; autora com Maria da Glória Bordini do livro Literatura: a formação do leitor; autora do livro Era uma vez… na escola: formando educadores para formar leitores, no qual coordena sua equipe de pesquisa; organizadora de livros em parcerias, como Teclas e dígitos – leitura, literatura e mercado; Heróis contra a parede: estudos de literatura infantil e juvenil; Conto e reconto: das fontes à invenção; Poesia infantil juvenil brasileira: uma ciranda sem fim; Literatura infantil e juvenil: leituras plurais, autora de artigos em periódicos científicos e livros nacionais e internacionais e e-books. Pesquisadora do CNPq, desenvolve o projeto Literatura juvenil brasileira: a constituição do objeto, suas modalidades narrativas e proposta metodológica de leitura através da construção de base de dados digital? (2013-2016).

Prof. Dr. João Luís Ceccantini

Possui graduação em Letras pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho – UNESP/ Faculdade de Ciências e Letras de Assis (1987), onde também realizou seu mestrado (1993) e doutorado em Letras (2000). Atualmente é professor assistente doutor da UNESP, instituição em que trabalha desde 1988. Atua junto à Disciplina de Literatura Brasileira, desenvolvendo pesquisa principalmente nos seguintes temas: literatura infantil e juvenil, leitura, formação de leitores, literatura e ensino, Monteiro Lobato e literatura brasileira contemporânea de um modo geral. É coordenador do Grupo de Pesquisa Leitura e Literatura na Escola, que congrega professores de diversas Universidades do país. Foi coordenador do Grupo de Trabalho da ANPOLL Leitura e Literatura Infantil e Juvenil. É votante da Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil – FNLIJ. Tem realizado diversos projetos de pesquisa aplicada, voltados à formação de leitores e ao aperfeiçoamento de professores no contexto do Ensino Fundamental. Nos últimos anos, também tem desenvolvido alguns projetos para a Editora UNESP.

Profª. Drª. Larissa Warzocha Fernandes Cruvinel

Possui graduação em Letras pela Universidade Federal de Goiás (2001), mestrado em Letras e Linguística pela Universidade Federal de Goiás (2004) e doutorado em Letras e Linguística pela Universidade Federal de Goiás (2009). Atualmente é professora efetiva da Universidade Federal de Goiás. Tem experiência na área de Letras, com ênfase em Literatura Brasileira, Teoria literária. Atua principalmente no campo da Literatura infantil e juvenil.

back to top